Notícias - Geral

   

  Período chuvoso não resolve e reservatórios da região continuam baixos. Especialistas estão pessimistas.

 

            A maioria dos reservatórios das hidrelétricas está com um nível de água menor do que o registrado em 2001, ano em que o país enfrentou um racionamento de energia. Segundo boletim do ONS (Operador Nacional do Sistema), 18 (85%) dos 21 principais reservatórios enfrentam problemas com a estiagem.
             De acordo com informações da concessionária que administra as oito usinas hidrelétricas instaladas no leito do Rio Paranapanema, os níveis dos reservatórios Jurumirim e Chavantes, localizados na região Sudoeste Paulista, estão muito abaixo do nível registrado no mesmo período em 2014. Além das duas usinas da região, as demais também dependem dos reservatórios que são os únicos no leito do importante rio.
              O nível do reservatório Jurumirim na quarta-feira (27/01) se encontrava em 20,87% de seu volume normal de operação. Em janeiro do ano passado, o índice atingiu 67%.
              As chuvas esperadas não estão acontecendo. Na área de influência do reservatório da Usina Jurumirim, a ocorrência de chuvas neste mês de janeiro foi de 64,7 milímetros médios, entre os dias 01 e 20, enquanto em 2014 registramos 110,20 milímetros médios.
              Quanto ao reservatório de Chavantes, hoje o índice está em 18,28% e na mesma data de 2014 era de 54%.
               A Duke Energy ressalta que nos dois períodos acima relacionados os níveis dos reservatórios permaneceram dentro do volume normal para operar as usinas.
De acordo com o publicado durante a semana no jornal Folha de São Paulo, o Planalto já teme que a situação adversa do setor elétrico prejudique o desempenho da economia em 2015 e vai reforçar o controle do estoque de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas para tentar evitar desabastecimento ao longo do ano.
Ainda de acordo com o jornal, como o volume de chuva esperado para os próximos meses deve ficar abaixo da média histórica, o governo vai ampliar o uso de usinas térmicas de maneira sistemática para poupar água para o período seco, que começa em abril.
                Integrante do conselho de administração da Sabesp, o ex-governador paulista Alberto Goldman (PSDB) diz que não vê plano de contingência de água possível exceto um racionamento oficial, com períodos sem água nas casas e indústrias.



 

Portal Arandu - 27/01/2015